Como se comunicar visualmente?


Como se comunicar visualmente? Pensemos no grande fenômeno da era digital: as redes sociais. De acordo com uma pesquisa da eMarketer, 75% do conteúdo postado no Facebook é constituído por fotos.

Além disso, 87% das interações dos usuários são feitas graças às imagens, consideradas como os tipos mais envolventes de conteúdo. É por isso que existem redes sociais voltadas para o conteúdo visual, como o Instagram e Pinterest. Nos dias de hoje, elas têm feito um grande sucesso.

Mas por que os elementos visuais é responsável pela assertividade na hora de compartilhar mensagens, como propagandas de divulgação da marca, lançamento de produtos, avisos e promoções? Humanos, seres visuais Nós, humanos, somos seres visuais. Tudo o que pensamos é representado de forma visual na nossa mente e não em forma de textos.

No nosso corpo, 70% dos receptores sensoriais estão localizados nos olhos. Ainda, quase 50% de nosso cérebro se envolve em nossas atividades de processamento visual.

Isso se expande para outros meios de veiculação além da internet, como os materiais publicitários usados (banners, panfletos e cartões de visita), logotipo da marca e até os uniformes dos funcionários. Tudo isso transmite uma mensagem ao público e passa uma ideia de como a empresa é internamente. Visual Thinking É comum ter dificuldades para comunicar visualmente uma mensagem complexa. Muitas vezes, a comunicação fica muito simples e a mensagem perde sua profundidade.

O contrário também pode acontecer e a comunicação se aprofundar tanto a ponto de o público não conseguir entendê-la. É aí que entra o visual thinking!

O visual thinking, traduzido como pensamento visual, é uma técnica que deve ser trabalhada caso a comunicação visual não esteja trazendo bons resultados. Com ela, aprende-se a exercitar a criatividade, a organizar os pensamentos e a aperfeiçoar a capacidade de se comunicar. Isso não quer dizer que a empresa abdicará dos textos, e sim que os profissionais aprenderão a unir ambas as linguagens (verbal e visual) para criar significados e compartilhar mensagens. Como fazer a comunicação visual da sua empresa? Agora que você já sabe o que é comunicação visual, deve estar se perguntando como ela pode ser feita na prática. Não existe nenhuma receita de bolo para isso. Entretanto, podemos dar algumas dicas para que você possa se planejar: Contrate uma equipe de marketing Se você acha que comunicação visual consiste apenas naquele desenho que fica ao lado do nome da marca, pode começar a se preparar para o fracasso! É a partir da comunicação visual que elementos serão unidos para representar a sua empresa e os seus valores, criando a identificação do público com a marca.

Isso vai muito além de saber desenhar ou ter habilidades com o Photoshop. Portanto, é aconselhado que você procure por uma empresa de marketing com profissionais qualificados para trabalhar na comunicação visual da sua empresa. Eles saberão como construir uma imagem coerente e harmônica, utilizando as cores e formas corretas para o seu público-alvo. Comece com a criação Logotipo A base da identidade visual de uma marca é o seu logotipo. Ele precisa ter características que o torne exclusivo, como o tipo de tipografia, as cores, símbolos e demais recursos.

Ao criar um logotipo, é preciso atentar ao seu formato. Hoje em dia, deve-se considerar diferentes dimensões da logo, tanto de redução quanto de aumento. Isso porque é necessário que ela tenha uma boa visibilidade, não importa o meio em que for aplicada, seja em grandes anúncios ou em pequenos flyers.

O logotipo deve contar com itens que transmitam simplicidade e clareza. Portanto, cuidado para não exagerar e poluir o visual da marca. Nesse quesito, menos é mais! Use elementos visuais que façam referência a empresa Faça escolhas inovadoras, mas que possam ser reconhecidos pelos consumidores. Nada de apostar em símbolos que estejam longe de seu campo de conhecimento. Isso pode ter o efeito contrário e até afastá-los.

É necessário lembrar que você não deve, de forma alguma, copiar outras marcas. Você pode até buscar referências para se inspirar, mas crie algo inédito para a sua empresa.

Utilize elementos que façam referência ao seu negócio e aos produtos e serviços que ele oferece. Se você comercializa, por exemplo, vestuário feminino, prefira símbolos relacionados a essa área e cores que estimulem os consumidores. Reforce a comunicação visual frequentemente De nada adianta criar a comunicação visual da marca se ela não for divulgada. Por isso, ela deve ser sempre reforçada.

Por exemplo: use a logomarca, tanto no local do seu negócio quanto nas peças publicitárias e até em documentos referentes à empresa. Os meios de comunicação também podem ajudar — sejam online, como sites e redes sociais, ou off-line, como panfletos e anúncios em jornais.

O ideal é divulgar e reforçar a comunicação visual da empresa periodicamente. Essa frequência de divulgação, bem como os veículos de comunicação usados e os valores gastos, precisam ser estabelecidos previamente na etapa do planejamento. Mantenha-se atualizado Sempre que sua empresa quiser passar uma mensagem ao público, como um aviso, uma promoção ou um lançamento de produto, a comunicação visual deve ser utilizada. Lembre-se de se manter atualizado e apresentar novidades ao longo do tempo, mas sempre trazendo os símbolos e recursos que identificam a marca e que já ficaram conhecidos pelo público. Avalie a comunicação visual Pesquisas de satisfação são uma ótima maneira de avaliar a comunicação visual da sua empresa. Você pode, por exemplo, disponibilizar no site um questionário para os clientes, pedindo que eles deem uma nota não só ao serviço que você oferece, mas também a respeito da identidade visual, como o layout do site ou e-commerce.

Isso também pode ser feito em lojas físicas. Basta deixar um questionário no caixa, perguntando se os banners, placas e informativos ajudaram o cliente a se orientar dentro do estabelecimento. Padrão Obviamente há a necessidade de coerência entre todas as frentes de contato com os consumidores. É preciso que haja harmonia entre os pontos de venda e relacionamento (online e off-line) para cravar a identidade visual na memória do cliente. Assim, sempre que ele ver determinada cor ou elemento, ainda que só parecido com o que sua empresa utiliza, em qualquer lugar, ele lembrará da empresa. Esse tipo de associação é muito poderosa. Caso não haja esse cuidado, o usuário perde, facilmente o interesse. Isso porque as jornadas de compra acontecem de maneira não-linear, ou seja, inúmeros pontos de referência são consultados para que cada indivíduo construa uma percepção sobre a marca. E, ao não encontrar padrão e coerência, o potencial-cliente fica confuso, deixa de ter confiança na marca e passa para outra opção. Através dela é possível permear o cotidiano do cliente no seu imaginário, sendo lembrado em diversos momentos, o que facilita as chances de ser cogitado como solução sempre que ele necessitar de algo que você fornece. Mas é claro que, dentro dos processos de atendimento, é preciso manter qualidade o suficiente para que as lembranças sejam positivas. Do contrário, toda vez que lembrar da sua marca, ele fará propaganda negativa, além de nunca mais retornar.

A composição visual é um elemento forte no desenvolvimento da marca. Por isso, ao explorar esse recurso, é preciso ter toda a casa (produto, processo, organizacional) em ordem para que o reflexo de sua aplicação seja o mais benéfico possível.

E, quando receber feedbacks negativos, a partir dos testes e pesquisas que realizar, tente não se frustrar. Isso fará com que você realize ajustes para aperfeiçoar os recursos visuais da empresa e, assim, o retorno do público, com o tempo, será animador! Agora, mãos à massa: se você não investir no visual da sua marca e potencializar a imagem do seu negócio, acabará ficando bem atrás da concorrência. A partir das dicas de hoje foi possível identificar como a percepção visual impacta nos negócios de forma determinante, além de de adquirir conhecimento para nortear uma criação de identidade visual sólida para a marca, seja em empresas novas ou reformular a que já existe. Gostou desse post? Então compartilhe com os amigos nas redes sociais.